O desapego das coisas da terra faz seu espírito fugir mais rápido daqui?

Imagine um pote de vidro cheio de balas, cada uma daquelas balas representam coisas gostosas que alguns humanos poder ter: dinheiro farto, sexo e amor farto, morar num lugar que gosta, morar num país que gosta, ter parentes e amigos que ama, ser bonito, ser famoso e ser bem quisto.

Agora imagine que você queira enfiar a mão nesse pote de vidro que se chama vida para agarrar todas as balas. Imagine agora que você agarrou todas as balas de dentro de vidro “tão lindo” que é a vida. Imaginou? Agora na sua mesma imaginação, tente imaginar a sua mão agarrando todas essas balas e tentando sair de dentro do pote, ela não sai! Entenderam essa alegoria?

Pois é, eu sinceramente não tenho “balas” nesse “pote”: Sexo? Nunca , fiz, meu corpo sempre me fez o favor de repelir à distâncias astronômicas essa possibilidade. Amor? Tomei nojo dessa palavra, pra mim ela representa problemas sérios, não amo ninguém mais se for parar para pensar, a minha mãe? eu não gosto, apenas a mantenho para não me sentir culpado. Amigos? É serio, acabei com todas amizades, não consigo me interessar pelos assunto de ninguém mais, sinceramente, eu cheguei a um estado de realismo com a vida tão grande que eu fiquei agressivamente objetivo: um ser humano pra mim só presta pra sexo, como nenhum que me satisfaça me quer, então pra mim nenhum importa. Eu por exemplo, no meu trabalho tenho uma colega lésbica de gênio bem forte, as vezes ela sorri pra mim e começa a falar das relações dela com os seus amores , depois ela me diz que na vida todos nós somos uma panela e que temos uma “tampa”, bom, descobri que sou uma forma… Pois é, nem das palavras de outras pessoas homossexuais iguais a mim eu me compadeço mais, escuto essas comparações de panela, tampa e amor como quem está num país de lingua estrangeira: você presta atenção por educação mas sente que tem uma bolha lhe separando da realidade dos outros. Dinheiro? Só tenho o que é suficiente pagar meu aluguel , mesmo assim devendo outros. Fama? Sempre quando eu quis ficar famoso foi que eu fiquei mais esquecido, eu sempre quis ser um destaque em algo para compensar o meu complexo de inferioridade por nunca ter sido amado pelos rapazes que eu gostei, infelizmente nunca fui destaque em nada de bom. Beleza? Nossa! Eu não posso dizer que sou a pessoa mais feia do mundo, mas definitivamente eu sou bizarro, tenho uma cara de tartaruga que não é nem um pouco atraente. Ser bem quisto, talvez só pelos animais de estimação que eu tive, mesmo assim, talvez só porque eu os alimentava… Paixão pelo meu país? Nossa! Eu odeio o Brasil! Odeio como as pessoas aqui são barulhentas, permissivas, espertinhas, sexistas, machistas e desrespeitosas aos outros e aos animais, para eu gostar do Brasil, só nascendo em um lugar pior!

Nem nesse blog eu me apego muito, eu escrevo aqui sobre alhos e os outros me fazem o favor de comentarem sobre cebola, comento sobre temas supostamente espirituais e grandiosos e me lançam comentários me perguntando o que eu acho de tal rapaz que se se traveste de heterossexual. Mal sabem que eu ando tomando um ódio imenso de caras heteros, quando um cara é hetero e atraente, eu tenho que me esforçar para ele não ganhar a minha antipatia gratuita, afinal o ódio também nos prende nessa merda desse mundo.

Como podem ver, talvez eu seja um cidadão privilegiado, em comparação aos outros, eu já sou muito desapegado, é capaz de eu ver alguém morrer na rua e nem ligar, se eu ver, possivelmente irei falar: Humm! sortudo!

Não que eu negue que em muitos casos a forma que nós morremos é meio dramática. Ora, talvez tenha que ser mesmo, afinal, quem que iria querer ficar nessa merda de prisão na terra se a passagem para a morte fosse uma coisa clean como uma viagem para Ubatuba? Tem gente que adoraria viver aqui 120 ou 130 anos, claro! com amor, sexo, saúde, amigos e dinheiro, é muito fácil viver aqui e querer mais. É óbvio! Mas eu não tenho essas coisas, eu me sinto um ser nu na sociedade, eu não gosto daqui. Sem falar que pelos relatos, a vida na terra é uma BOSTA quando comparada com a vida na dimensão x. Só gente maluca pediria pra ficar viva após conhecer o brilho da morte que muitos relatam!

Pois é, eu sou tão desapegado , tive que ser na marra, né? Sou tão assim que eu me pergunto: será que se tudo isso existir eu vou ter alguma vantagem na morte? Vantagem de sair desse planeta derrubado, quem sabe! Estou ansioso para ver como será a minha morte, se todo esse meu conhecimento vai me valer de alguma coisa ou não. A minha vida é muito fedida e até o meu mapa astral, coincidência ou não, aponta isso: tenho saturno retrógrado em leão(quem conhece astrologia sabe como isso é podre) e todas as casas que regem o sexo e amor VAZIAS,kkkkkkkkkkkk! Coincidência? Dizem que as casas vazias são regidas pelo signo que as começa na linha divisória, mesmo assim. E olha que interessante, essa tara que eu tenho por heteros é meio que prevista no meu mapa astral também: eu tenho Vênus em Áries numa casa que representa o idealismo… Vênus representa a grosso modo o amor, e Áries representa a guerra, o másculo, o agressivo, o cara que vai lá e toma posse do que é seu! E realmente, minhas paixões são violentas e por caras naturalmente homens que por sua vez têm uma sorte enorme com mulheres.

Enfim, tou ligando mais pra nada nessa vida a não ser o meu emprego, em relação a maioria das outras pessoas eu já estou anos-luz a frente em termos de desapego e ser despojado de valores.