Eu me sinto um aleijado

Não que eu não tenha pernas ou braços, por enquanto isso AINDA não me foi tirado. Veja bem: Ainda…
Mas viver como eu vivo é ser um aleijado, não de uma perna mas sim de algum supostos mecanismo químico cerebral que em mim saiu do padrão.

Eu vejo as vezes uns rapazes tão lindos que fazem totalmente o meu tipo, sem esforço algum, eu fico no primeiro momento feliz por vê-los, fico pensando neles por dias, mas depois cai a ficha e aí eu sei que a minha imitação nessa terra, até agora, não é não ter pernas, é não ter vida sexual e afetiva com quem eu queira. Tá… Eu olho o cara é me agrada, acho bonito, mas eu não posso te-lo, é exatamente como se eu fosse um aleijado de tudo querendo ter braços e pernas só porque eu acho que é bom e me sinto feliz em pensar em ter ambos. Infelizmente algumas coisas são irreversíveis na vida, você não pode fazer nada. Pra mim, ter um homem de verdade que eu escolha é assim.

Se eu quisesse ter um bissexual daqueles que não fedem nem cheiram, daqueles sem delimitação entre feminino e masculino, sem muita graça, com cara de tia indiana, tipo bolacha de água e sal que você mastiga por mastigar mas que não lhe faz falta nenhuma se não ter, bom, eu teria, homem falsificado assim costuma se dar muito bem comigo, não me assusta e poderia até ir pra cama comigo, mas no outro dia eu não iria querer ver a cara pois é seria uma enganação, uma ilusão, do tipo “não tem cão, casse com um gato”, isso é triste. O mesmo eu digo sobre mulheres e gays, sejam eles femininos, masculinos ou do tipo “machões”, eu não sei o que tem neles que por mais que eles se vistam como macho para me enganar, eu sinto um enjoo de estar perto de um se a proposta é sexo afetiva.

Se eu quisesse ter um viado chato como eu ou um viado que se fantasia de hétero, isso eu teria facilmente. Se eu quisesse uma mulher, daquelas chatas, eu também teria. Se eu quisesse um bissexual daqueles que lembram comida de hospital, eu também teria, mas eu não quero ter alguém só pra eu poder dizer que tenho, eu queria alguém que me lembrasse algo transcendental, sobrenaturalmente encantador, tipo paixão de adolescentes, sabe aquela pessoa que te olha no olho e que faz você sentir que foi algo em uma dimensão ou vida muito distante? Aquela pessoa que faz os seus olhos e sua alma ficarem nutridas de entusiasmo? Pois é, é aquela sensação que se deve ter quando se é muito pobre e se ganha na loteria, é essa sensação que eu sinto quando eu vejo um hétero que me causa afeto e admiração. Gays, mulheres e bissexuais não me causam isso, pra mim eles parecem seres artificiais de plástico, eu não sinto nada por eles para querê-los por perto.

Por isso tudo eu me acho um doente, um doente tem um pedaço do corpo faltando e que tem que se conformar com isso até a sua morte. Bom, só me resta me conformar mesmo. Por isso eu nem tenho muito ânimo pra mais nada vida mesmo. Deixa pra lá, fazer o que, não é mesmo?
Vou aprender com os mendigos, ver e aceitar que nunca vou poder ter. Eu sou um aleijado sexual mesmo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *