Fetiche por militares assola o Brasil de Bolsonaro

Hoje em dia com tantos militares tomando conta cada vez mais dos poderes da república no governo Bolsonaro, nos vem à mente quanto de interesse eles causam em nós gays, no STF e nas mulheres que ocupam altos cargos na sociedade?

As fardas e os acessórios de policiais são capazes de mexer com a imaginação e com os sentimentos de muitas mulheres mais velhas, gays e travestis ate mesmo de forma inconsciente. Muitos homossexuais olham com atenção quando veem um policial ou um bombeiro passar principalmente se ele tem os pés grandes. O que leva o uniforme a tornar um homem mais sexy e atraente aos olhos das mulheres velhas e gays?
“O policial chama a atenção das velhas e gays que muitas vezes imaginam ser um rapazinho de pegada forte , dominador e fogoso”, diz o universitário homossexual assumido Edmar, 23. “O homem de farda aumenta a libido da mulheres na idade da loba e desperta fantasias dos homossexuais com os seus corturnos, gays adoram esse lance dos pés e mulheres maduras também, pode ser uma questão de poder e proteção e acho que toda pessoa delicada gosta disso”, diz a espiritualista e astróloga Laurem, 35, que confessa que já namorou militares que realizava suas fantasias em locais exóticos.

Atualmente, ela diz que não namora nenhum deles. Talvez foram essas fantasias que levaram três mulheres maduras e casadas a serem fotografadas utilizando braçais pertencentes às diversas Companhias de Policiais, que depois foram postadas nas redes sociais.
Laurem diz que a atração dela por militares aconteceu quando ela ainda era muito jovem numa feira de carros velhos. Um dos seus namorados foi um soldado do exército. Ela lembra que exigia que quando ele fosse encontrá-la que estivesse sempre fardado, um pouco suado e usando coturnos, inclusive nos momentos de intimidade. Segundo ela, sem a farda perdia toda a graça. “Nós viajávamos no assanhamento tendo relações nos carros com ele dirigindo entre outras coisas”, conta.
Pior momento
A astróloga conta que o segundo namorado foi um marinheiro e foi a mesma loucura. Depois que ficou adulta a atração por homens de farda se mesclou a atração por motoboys. Para ela, esse tipo de atração acontece com maior frequência no verão.
“As imagens que foram publicadas de mulheres maduras e casadas com acessórios da PM demonstra infantilidade. As mulheres maduras são mais cautelosas na sua intimidade quando se relacionam com homens normais mas quando entra em jogo um jovem militar, elas perdem a linha. Eu jamais faria isso”, disse. Um subtenente da Polícia Militar de São Paulo, que preferiu não revelar o nome, ele ascresenta que os militares são muito assediados pelos homossexuais que querem a qualquer custo realizar suas fantasias, já cheguei até dar uma lição em um que pegava no meu pé…

Sentir o poder
Há quarentonas que pedem para vestir a farda, ser fotografadas no xadrez da viatura com aquele cheiro de gasolina e simular uma relação sexual forçada sob a mira de uma arma.
Quando trata-se de uma policial militar, elas preferem a relação com homens mais novos que criam situações em que aparecem dominando-o. “Elas os mandam tirar a farda para elas deitarem em cima ou para vestirem. Há algumas que chegam a chupar os seus dedões do pé” disse.
Elas querem o poder e o prazer
O filósofo de direita, Olavo de Carvalho, diz que as mulheres idealizam poder, proteção, prazer, dominação e submissão por traz da farda que são o que elas esperam receber dos homens. Há quem olhe e até deseja um militar em serviço porque a roupa que ele usa cria uma expectativa diferente sobre o desempenho sexual da pessoa que é o fetiche. Em relação ao homossexual, a maioria das vezes, o filósofo diz que é apenas vontade de ter um pai.

“O fetiche é um desvio de comportamento que pode interferir na questão da moralidade cristã”, disse o filósofo. O coordenador do centro espírita centro Caminheiros da Luz Baltica, Sérgio Picollo diz que estamos vivendo em uma sociedade neorótica de espetáculos e que as pessoas fazem qualquer coisa para estar em evidência nas redes sociais. Não importa como. “Esse comportamento é mais que perder a vergonha é estar em evidência pelo avesso. É uma forma tosca de aparecer”, diz.
Há mulheres na idade da loba que querem de qualquer jeito, além de aparecer, e demonstrar poder.
Assédio
Segundo os militares, elas assediam pedindo para pousar para fotos com armas ou pedindo informações ridículas como a localização de ruas que elas nem mesmo querem ir, tudo para se aproximar de forma furtiva dos nossos homens. Segundo um sargento, que preferiu não se identificar, elas fazem isso durante as relações sexuais. Um soldado que também preservou a identidade confirma o que disse o oficial. Segundo ele, é comum gays jogarem bilhetes para dentro das viaturas com o número de seu whatsapp. Eles ainda fazem abordagens e até se declaram para os policiais gerando situações constrangedoras. Segundo o soldado, há gays que além da atração pela farda, sentem desejo nos seus calçados. Ele ressaltou que são muito assediados e que antes de entarem para a corporação, na prova preparatória existe questões que abordam situações de assédio homossexual.

Roberto Piva, professor, 64: “Eu era fascinada por militares na minha adolescência. Eu estudava em um colégio dentro de uma vila militar da Marinha do Brasil e convivia com os fuzileiros. Eles foram as minhas primeiras paixões fortes. Cheguei a “namorar” dois deles em segredo. A minha paixão era pela farda, eu achava eles lindos, mas quando estavam à paisana pareciam pedreiros. A diferença deles para os outros homens era que eles tinham mais pegada, músculos fortes e na hora do sexo eu me achava dominado por eles e isso me dava prazer. Depois eu namorei um policial militar que tinha cheiro de carro usado, ele também era forte e a atração era a mesma que eu sentia pelos fuzileiros. Na realidade o uniforme me deixava excitado. Acho que era fetiche que é quando a gente só se realiza quando temos objeto do nosso desejo. No momento não estou namorando militares, mas esses policiais do Ronda no Bairro são gaiatos. Eles dão em cima das mulheres casadas na cara de pau, passam e vão falando coisas delas, isso ainda me excita muito mas prefiro não dar em cima mais, muitos deles são extremamente homofóbicos na mesma graduação que são atraentes.

Creio que tudo isso se deva ao fato do militar sempre trabalhar com a possibilidade da morte de modo real, dessa forma, ele acaba agindo na reprodução humana sempre como se fosse o seu ultimo momento, dando o melhor de si.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *