Me apaixonei por André Schürrle , um jogador de futebol alemão, que coisa!

A minha vida toda eu venho repetidamente gostando de caras que nunca me deram nenhum tipo amor, todos os rapazes que eu gostei ao decorrer da minha vida me deram o sabor amargo do desprezo, já gostei de todos os tipos que você passa imaginar: pobre, ricos, brancos, negros, japoneses, ladrões e policiais, enfim, não tive sucesso amoroso com nenhum deles pois todoseram heterossexuais, infelizmente eu só consigo gostar de homens heterossexuais.

Em 2014 , antes da Alemanha ganhar do Brasil por sete a zero nos gols, muitos homens dentro da empresa onde eu trabalho começaram a falar de futebol, times e equipes que poderiam ganhar o mundial da copa do mundo. Era muito comum os funcionários ficarem falando de times de futebol mostrando cada um deles em seus computadores.

Eu tinha uma superior sociopata nesse emprego, eu irei chamá-la aqui de Najara, eu e ela nunca nos demos bem em nada a não ser quando o assunto era homens, nas raras veze em que eu Najara conversávamos sem discutir era justamente quando falávamos de homens, Najara é o tipo de mulher que quer que todo mundo se foda para ela se sair bem no meio dos fodidos e assim fazer a sua fama para subir mais rápido na empresa, o seu lema era: “quando mais complicado para o seu funcionário, mais dele se deveria exigir” . Najara era muito engraçada quando falava mal dos defeitos de seu funcionário. Najara sempre exibiu pra mim que ela conseguia os homens que ela gostava. Najara tinha um sonho: ir pra Alemanha e montar um arem de homens arianos. Najara também me contou uma vez que tinha curiosidade de ler o livro Mein Kampf, ela dizia que adorava homens arianos, sérios e com cara de mau, na época existia um eletricista que trabalhava na manutenção de nossa empresa que tinha essas mesmas características, porem ele era meio barrigudo.

O eletricista era alto, olhos bem verdes, loiro e com um olhar de assassino, ele sempre me encarava e me dava medo, eu tenho medo de pessoas de olhos muito verdes, pessoas assim me lembram filme de terror de lobisomens. Esse eletricista era muito másculo, meio rude e só andava de uniforme para piorar, realmente o rapaz era bem atraente mas aparentava ser super homofóbico. Eu as vezes entrava no refeitório e lá estava ele e um amigo, ele sempre me olhava com um olhar de ódio que me deixava mais ainda inibido. Najara falava pra mim que achava esse rapaz muito atraente também, ela queria ter um relacionamento com ele mas o tesão era tanto que ela não tinha coragem de se dirigir a ele. Eu falei pra Najara que eu gostava de pessoas assim também: loiras, com cara de perigosas e másculas, o eletricista que a atraia também me atraia um pouco também.
Contei a ela que achava o rapaz Thomas Müller da seleção alemã um cara bonito nos mesmos moldes do eletricista com cara de mau.
No dia seguinte após a minha confissão, Najara contou sobre meus gostos por rapazes aloirados pra todo mundo no emprego.
Pronto! Todo mundo sabia que eu era chegado num heterossexual loiro. Coitado de mim, um gay virgem querendo ter aquilo que era disputado até entre as mulheres!

Então um amigo bissexual nosso no emprego que sempre me pedia favores profissionais me chamou em frente ao computador dele e me perguntou como eu poderia achar Thomas Müller bonito, afinal de contas, segundo ele, Thomas era puro osso(magro demais) e por isso eu não tinha nada o que gostar nele, mesmo ele sendo bem dotado.
Então esse amigo bissexual pegou a foto da formação da seleção alemã e me mostrou, ele apontou o dedo para um cara específico brincando o que eu achava dele pois ele tinha um topete que mais parecia uma alcinha de fazer boquete. Sim, esse nosso amigo bissexual era super depravado e suas piadas eram bem infames mesmo. Bom, o rapaz que tinha o topete era o senhor André Schürrle, eu olhei bem para foto e o achei com cara de metido e antipático mas o achei bonitinho.

Comecei em segredo ficar observado fotos do rapaz no meu computador, tinha algo em
André Schürrle que me era familiar, na verdade o nariz e a cara de limão azedo dele fazendo gesto de implicante para tirar foto, me lembrava uma menina do meu passado chamada Rose, lá quando eu tinha 11 anos, eu gostei de uma menina chamada Rose, mas era um gostar só da cintura para cima, Rose era uma galinha, todos meninos da nossa pensão queriam ela, ela era carismática e mandava em todas as meninas do local, sempre animada e extrovertida, criava brincadeiras para toda a criançada, uma delas era a “Beijo, abraço, ou aperto de mão”, onde uma pessoa tampava os olhos da outra com uma fenda e saia perguntando e apontando para as outras se ele queria um beijo ou um aperto de mão, isso me dava muito ciumes, afinal os meninos adoravam Rose e Rose correspondia. Rose também era loira.

Bem André Schürrle , o rapaz topetudo da seleção alemã de 2014 mesmo sendo homem tinha algumas coisas parecidas com Rose: o olhar de limão azedo, é loiro e também tinha o mesmo signo dela que era escorpião. Bom, talvez tudo isso fez um mix no meu emocional e cada dia eu estava cada vez mais apaixonado por ele.
Fui ver vídeos onde André Schürrle dava entrevistas, nas entrevistas ele sempre se mostrava meio tímido, sua voz era máscula mas doce e calma que entrava em meus ouvidos e me causava coisas inexplicáveis… Aquele jeito recatado me deixava com a boca salivando para dar um beijo nele.
Somando a tudo isso, André tinha olhos azuis grande e lindos que me lembravam sol do Mackenzie, o primeiro rapaz que me deu um fora na vida quando eu tinha 19 anos!

Então eu comecei a pensar todos os dias no senhor André Schürrle, para vocês terem uma ideia, a paixão que eu senti pelo André foi tão avassaladora que eu fazia faculdade na época mas não tinha mais cabeça para pensar nas matérias e nos trabalhos, abandonei a faculdade só pra ficar pensando nele, pode ser loucura mas foi isso que eu fiz: abandonei a faculdade por causa do André Schürrle.
Eu adorava vê-lo com aquele uniforme azul do Chelsea FC , aque uniforme combinava com os lindos olhos azuis dele, quando ele usava luvas então, ficava muito mais lindo, eu tinha uma vontade de agarrá-lo só para mim. Que rapaz lindo era aquele? Mais um demônio reptiliano da realeza heterossexual que iria acabar com o meu emocional? Já não chega os brasileiros?

No meu trabalho todos sabiam que eu gostava do Schürrle, então tive uma ideia que comuniquei a todos no meu emprego: mandar uma carta para André. Sim, todos tiravam sarro de mim mas não punham fé que eu teria coragem de mandar uma carta para ele me declarando.
Pois bem, fiz a carta e destinei ao André usando o endereço do Chelsea FC, como eu queria que a carta chegasse rápido, fui pessoalmente entregá-la nos correios: passei muita vergonha quando a moça dos correios me perguntou para quem era a carta alem de querer ver o que estava dentro do envelope, afinal a carta não era para o Brasil mas para a Inglaterra. Entreguei a carta e saí suando de vergonha da agência. Fiquei imaginando o que a moça dos correios pensou a meu respeito… Um macho mando carta para outro macho. Isso no Brasil é muito feio.

Mandei a carta para o meu fofo príncipe do Chelsea e fiquei acompanhando o tempo todo o seu trajeto que foi super demorado.
Os meus amigos no emprego começaram a tirar um sarro da minha cara dizendo que André Schürrle iria pegar o papel da minha carta, limparia as chuteiras e me mandaria de volta, depois diziam que ele nem iria se dar ao trabalho de ler, apenas rasgaria quando vesse que se tratava de um homem.
Enfim, a carta que eu mandei pro Schürrle foi motivo de piada na empresa toda, todos ficaram fazendo boolying comigo sobre como André Schürrle se livraria da minha carta de maneiras bem grosseiras. Teve gente que disse até que ele iria tacar fogo na carta. Pois bem, a carta chegou ele nunca respondeu, para a minha tristeza eu descobri que eu não era o único que mandava cartas para ele, um milhão de fãs também mandavam. Então desisti de receber uma resposta.

A minha paixão por André Schürrle era tão forte que eu consegui descobrir o endereço dele na Inglaterra usando triangulação. Ele morava num conjunto de prédios exóticos em frente a um rio famoso do Reino Unido que eu não me lembro o nome mais, mas na época eu sabia exatamente no mapa onde era o prédio dele.

André Schürrle sempre foi cercado por mulheres bonitas, isso me deixava com raiva. Fiquei muito triste quando ele pediu uma delas em casamento, na época a namorada dele era a tal de Montana Yorke, uma baixinha que era metida a querer ser modelo e que ficou famosa às custas dele.
Depois eu não sei o que aconteceu que eles separaram e em questão de horas André Schürrle já estava com outra modelo, uma mulher chamada Anna Sharipova que parece a ex apresentadora Carla Vilhena do telejornal Fantástico. O pior é que eu sei também onde é o predinho da tal
Anna Sharipova , fica na rua de um mercado alemão que inclusive eu já frequentei. Também eu tenho o telefone do pai do André, o meu sogro virtual… As vezes eu ligo pra ele para ouvir a voz dele mas acabo desligando.

Até hoje gosto de André Schürrle, vira e mexe eu fico mandando cantadas para ele nas redes sociais dele, ele nem responde, lógico, pessoas famosas não entram nas redes sociais de verdade, elas pagam agencias para fazerem isso.

Uma vez eu sonhei com André Schürrle, nesse sonho ele estava em cima de um caminhão daqueles que tocam musica (trio elétrico la da Bahia) , então ele me fazia uma careta me dizendo:
– ME DEIXA EM PAZ!!!
Bom, como todos os rapazes heterossexuais sempre me tratam mal ou com desprezo, levei o sonho a sério e fiquei muito magoado, magoado pois aquele sonho na verdade expressou uma possível realidade dura e cruel: nenhum cara que gosto me quer devido ao meu maldito corpo de homem!

Uma vez eu fiquei menos dececepcionado quando descobri que André Schürrle tem um amigo íntimo que parece gay, é um rapaz metido a milionário bon vivant chamado David Aj, as vezes ele aparece junto ao André em algumas fotos e se percebe que o André não se sente muito a vontade de se exibir em fotos com ele. Será que David Aj já o paquerou?
No Brasil existe uma rua onde têm muito comercio(rua uruguaiana) e que eu as vezes ia lá quando voltava para esse país. Como a vida é sacana comigo e sempre será, nessa rua desse comercio, existia um menino vendendo CDs piratas, esse menino para o meu espanto era a copia do
André Schürrle: loiro, olhos azuis, jeito de meio sofrido, só que mais baixinho, aparentando uns 17 anos, eu passei perto dele, ele ficou me olhando estranho: sabe quando um hétero começa a perceber que você o olhou com cobiça e então eles parecem não gostar? Pois é, é assim que esse menino me olhava, tratei de nunca mais passar nessa rua. Eu heim, homem brasileiro é muito perigoso, não quero ser linchado como eu fui lá na Vila Mariana uma vez.

Bom, André Schürrle é muito reservado e não é muito de sair, nisso nós somos parecidos, por isso ele é muito difícil de deixar rastros na internet. Mas agora eu começo a ficar um pouco mais animado pois ele agora trabalha em um clube chamado BVB em Dortmund na Alemanha. Mas por que eu fiquei animado? Bom, calma! Não é que eu vou resolver o meu problema secular nessa vida de nunca ter alguém, o motivo por eu me animar é que Dortmund é uma cidade deficitária em matéria de aeroportos, o aeroporto de lá é velho e quase sem uso. Isso faz com o André não possa usar o seu mini avião particular e vá ao trabalho usando carro, porem quando é necessário o time do BVB ter que ir a outra cidade alemã perto de Dortmund para disputar algum jogo, os jogadores não podem usar carros e nem os seus jatinhos, acaba restando uma única alternativa: o trem ICE (trem bala) que TODO MUNDO PODE PEGAR! É isso mesmo, qualquer reles mortal pode ficar na estação de trens de Dortmund e esbarrar com grandes jogadores do BVB, inclusive o senhor
André Schürrle. Imagine só eu ficando perto dele? Eu não iria pedir autógrafo pois eu teria um AVC se ousasse a fazer isso, mas eu iria ficar muito alegre de ter ficado bem pertinho dele, mesmo que ele nunca saiba. Eu queria tanto chamá-lo de MEU MARIDO! Juro, eu amo chamar Shurrle de meu marido e todos os dias eu não tiro a ideia de ir para Dortmund para ir na estação de trem da cidade para conhecê-lo sem ele saber. Não quero levar um fora na estação de trem. Já levei um fora num ponto de ônibus e sei como é vexatória essa situação horrível, eu quero apenas vê-lo, sorrir e ir embora, eu sei que nunca com esse corpo maldito que eu nasci eu irei conseguir alguém que me inspire carinho como André me inspira. Então eu já me conformei em ser um derrotado mesmo, só quem irá dar jeito em mim será a morte. Por isso tudo eu acho que é bem melhor ter um amor platônico que não me ameace do que gostar de um homem bruto brasileiro que possa me bater, me matar e me xingar como muitos já fizeram. O platônico é distante e nunca me fará mal fisicamente, ou eu estou enganado?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *