Eu fico rindo em segredo de um hetero lá do emprego…

No meu trabalho existe um rapaz heterossexual com cara de bolsonarista, é aquele que eu falei que é parecido com o “Engomadinho da Internet” , ele é bem bonitinho e realmente é tipo de pessoa que eu idealizo nesse blog. Eu não sei como eu me sinto atraído por pessoas tão opostas a mim, eu só sei que eu sinto a atração, pronto e acabou!  Eu já notei que esse rapaz em algumas vezes já me olhou com cara feia, ele já deve ter percebido, afinal, parece que o satanás pessoalmente vai no ouvido desses carinhas bonitos e homofóbicos dizer-lhes o seguinte:
–“Tá vendo aquele fulaninho ali? É viado e tá afim de você! Quebra ele na porrada cara!”

Pois bem, agora acontece uma coisa inusitada: sempre que eu vejo esse rapaz, imediatamente eu me ponho como leitor desse blog e falo comigo mesmo: “Olha lá o hetero! O hétero que ele tanto fala no blog!” Daí eu começo prender a minha boca para não rir sozinho da cara dele!
Eu não gosto desse cara, não por ele ter me feito algo de ruim, mas sim por ele ser bonitinho e eu não conseguir ficar indiferente a ele. Eu não gosto dele pois eu sei que é sempre o mesmo fim: não posso ter, vou ter sofrer, me contentar e não posso fazer nada a não ser escrever sobre o fato aqui. Eu tenho um misto de revolta, ódio e vontade de rir pois na minha cabeça, como eu não sei o nome do dito cujo, eu o chamo mentalmente de “o hétero lá do meu blog”,  e aí eu tenho que fazer uma força para não rir quando o vejo, afinal, eu já não rindo, os heteros já me tratam com nojo, imagine se eu rir. Se bem que o meu riso não é de admiração, é riso por ele ser um dos  personagens do meu blog, o chamado “macho alfa”, sim, isso por ser tão sofrido chega a ser cômico causando reações inclusive nos poucos leitores desse pequeno blog, uma vez um leitor chato e borderline desse meu site aqui, começou a criar um perfil fake chamado “Macho Alfa” só para me perseguir e me contrapor nas redes sociais na desculpa de querer me ajudar… Como se pode ver, de tanto se falar em determinadas situações elas acabam criando reflexos no mundo real através da inspiração dos outros, tipo numa novela onde o personagem é tão bom que o telespectador é compelido a agir como ele na vida real.

Ok, pode ser engraçado o fato de eu querer rir do heterossexual que eu idealizo aqui, frente a frente no meu trabalho, é como você viver a vida toda contando histórias de lobisomem e de repente numa noite acabar vendo um lobisomem no seu sítio, você se pergunta: estou na vivendo uma vida real ou eu estou dentro das minhas histórias de blog? Mas infelizmente o resultado não é bom: quando eu vejo esse rapaz eu fico com ódio da minha vida por saber que matematicamente cara que me atrai é igual a cara que não sente atração alguma por mim. Eu fico pensando o dia todo no cara, me imaginando sendo a mulher dele, depois eu acordo do sonho e vejo que literalmente seria mais fácil eu conseguir fazer uma bomba atômica na minha casa vendo a tutoriais toscos na internet, do que um cara que eu admire e goste, sentir alguma coisa boa por mim. Isso é vetado a mim de uma forma perfeita. Por isso, eu fico triste, não me masturbo, evito olhar homens atraentes na rua, ando olhando para o chão e aí eu começo a ter crise de abstinência por falta de me masturbar e ver homens: dor de cabeça, tremedeira, espasmos, irritabilidade acentuada, insonia, angustia e crise de choro.

Eu quero distancia daquele rapaz, sempre eu o vejo, eu fujo, me escondo e evito olhar para a sua direção pois sei que é sempre uma desgraça pra minha vida xexelenta.

Quem quiser ver o perfil do “engomadinho da internet” no instagram, o link é https://www.instagram.com/p/pASw1tL_W0/ , a diferença do cara do meu emprego é que o do meu serviço é mais velho e com cabelos bem pretos , já o “engomadinho da internet”  é meio loiro e nem sempre se veste como um engomadinho.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *